Câmara do Porto admite pagar a cafés e restaurantes para garantir acesso a casas de banho

O tema foi discutido na última Assembleia Municipal de 19 de dezembro. Alertado pelo deputado da CDU Belmiro Magalhães, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, anunciou que a autarquia está a estudar um conceito inovador que consiste no pagamento de uma verba anual para permitir o acesso aos sanitários.

Os comerciantes dizem que todos os dias os restaurantes e cafés da baixa do Porto recebem pedidos de quem não quer consumir mas por falta de sanitários públicos pedem para usar a casa de banho.

A poucos metros da estação do metro da Trindade, António Azeredo, proprietário do café Urca, considera que com o aumento do turismo a cidade acaba por passar uma imagem negativa. “Todos os dias vêm pedir e lamentam. Um turista de classe média, alta ter que estar a pedir para usar a casa de banho do café, sem querer consumir, passa uma imagem negativa”.

Ideia partilhada por Ana Silva, proprietária do restaurante Porto de Sabores. “Todos os dias entram aqui, pedem e agradecem, são educados”.

Amândio Dias, sócio gerente do café Naitilus, diz que a procura das casas de banho é um problema antigo. “Quase todo o comércio tem esse problema, há pessoas que entram e nem pedem. A cidade não tem casas de banho públicas, já quando foi construído o metro havia queixas”.

O presidente da Câmara Municipal do Porto reconhece o problema e está a estudar a possibilidade de pagar uma verba anual aos cafés e restaurantes que permitam o livre acesso às casas de banho, à semelhança do que acontece na Suíça.

O proprietário do café Urca considera a proposta positiva. “Gastamos água, papel, não sei dizer um valor que considere justo, mas há sempre a isenção de taxas”.

Ana Silva, proprietária do Porto de Sabores, não consegue calcular o valor justo a pagar pela autarquia, mas elogia a iniciativa. “É uma ajuda, temos que fazer uma limpeza muito maior e assim a autarquia comparticipa”.

Amândio Dias, do café Naitilus, desconfia das intenções da autarquia, mas se se concretizar é positiva.

“Só depois de lançarem a ideia é que podemos ver, porque se não querem instalar casas de banho é porque querem passar o trabalho para os outros. Em princípio a ideia é positiva, mas é preciso ver”.

Na assembleia municipal de 19 de dezembro, o presidente da câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, prometeu tomar medidas para acabar com o problema da carência de sanitários públicos, mas não definiu o valor o pagar aos estabelecimentos ou os prazos.

artigo fonte: https://www.tsf.pt/sociedade/interior/camara-do-porto-admite-pagar-a-cafes-para-garantir-acesso-a-casas-de-banho-9012208.html

Notícias relacionadas