«O Porto é bom mas não é para todos»

A especulação imobiliária e a transformação da Invicta numa «montra» estão na base do protesto que o movimento Direito à Cidade realiza no próximo sábado, pela defesa do direito à habitação.

O movimento denuncia num comunicado o «processo de descaracterização» de que a cidade do Porto tem sido alvo. «Os nossos cafés, tascos, quiosques e alfarrabistas desapareceram para dar lugar a lojas de souvenirs very typical” e restaurantes gourmet», lê-se no texto.

Para lá da transformação a nível do comércio e da substituição de vários sectores económicos da cidade pelo turismo, o movimento refere a existência de hotéis e hostels «em todas as ruas, esquinas e becos, em detrimento de habitação permanente», sublinhando que «há cada vez menos» gente a morar na Invicta.

Para o movimento Direito à Cidade é «urgente colocar um travão» à especulação imobiliária por parte de grandes grupos económicos, nacionais e estrangeiros, «que fazem lucros astronómicos à custa do que deveria ser um direito», e que se estende aos concelhos vizinhos.

Além do mais, leva a que seja «extremamente difícil» arranjar casa no Porto nos dias de hoje. «Há muito menos oferta para habitação permanente e a pouca que existe tem preços altamente inflacionados», explicam no comunicado.

As críticas recaem ainda sobre a lei do arrendamento pelo facto de «facilitar o despejo, nomeadamente de famílias que vivem há anos na mesma habitação e que achavam, até aqui, que, cumprindo as suas obrigações, teriam um tecto seguro».

Apesar de a Invicta estar com «mais vida» e mais edifícios recuperados, reconhece-se que a transformação tem vindo a ser realizada para as «elites», com a destruição de património natural e cultural.

Entre os exemplos, o Direito à Cidade dá o morro da Arrábida, «recém-escavacado para a construção de condomínios de luxo», e o despejo de alfarrabistas históricos em ruas típicas do Porto, como a Rua das Flores.

Cumprir a Constituição

O movimento exige que o Governo faça cumprir o direito constitucional à habitação, ao mesmo tempo que reivindica um maior investimento em habitação pública, a preços controlados, tanto dentro dos bairros municpais como fora deles. Porque, acrescenta, «a cidade deve ser para todos e não só para aqueles que podem pagar».

«Não importa que o Porto seja “Best European Destination” todos os anos, se quem cá está continua a ganhar um salário mínimo de miséria que não chega para pagar a renda», critica.

Sob o lema «Mais habitação, menos especulação», o Movimento Direito à Cidade organiza no próximo sábado, 7 de Abril, uma concentração na Praça da Batalha, pelas 15h, seguida de um desfile em direcção ao Jardim de São Lázaro, no Porto.

artigo ABRIL ABRIL: https://www.abrilabril.pt/local/o-porto-e-bom-mas-nao-e-para-todos

Segue-nos e partilha:

Notícias relacionadas