Morte de estudante agredido no Porto sem culpados

Dois anos e meio depois de Joel Rafael, 20 anos, ser agredido, cair inanimado, ser pontapeado no estacionamento da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e morrer, o Ministério Público arquivou o inquérito, pela segunda vez.

“Dizem que foi agredido, mas que não conseguem identificar por quem. A nossa Justiça é lenta, mas quando quer vai atrás dos agressores. O meu Joel foi agredido, morreu e não há culpados?”, questionou a mãe do jovem, Paula Queirós, em entrevista ao Correio da Manhã.

Segundo o mesmo jornal, o Ministério Público considera que não foram encontradas novas provas de responsabilidade criminal, mantendo assim o arquivamento que tinha sido determinado em 2017.

Saiba tudo sobre o caso no Correio da Manhã.

Notícias relacionadas