Pediatria do S. João e Hospital de Gaia no Orçamento da Saúde para 2019

A construção do Centro Pediátrico do Hospital de S. João, no Porto, e a requalificação das instalações do Hospital de Gaia fazem parte dos planos do Ministério da Saúde para 2019.

De acordo com a nota explicativa do Ministério da Saúde para o Orçamento do Estado 2019, divulgada hoje no site do Parlamento, fazem parte do investimento em equipamentos e infraestruturas para o próximo ano “a requalificação das instalações do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia-Espinho e a construção do Centro Pediátrico do Centro Hospitalar de São João”.

O documento será apresentado pela ministra da Saúde, Marta Temido, na tarde de amanhã, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento da Saúde.

A indefinição em torno daquelas duas obras tem gerado muita contestação. A degradação dos edifícios do Hospital de Gaia foi aliás um dos motivos que levou 52 dirigentes hospitalares a anunciarem a demissão em bloco, em setembro último.

Em abril passado, as condições do internamento pediátrico do Centro Hospitalar de S. João saltaram para a ordem do dia após as denúncias de um grupo de pais. O presidente do hospital admitiu serem “miseráveis e indignas” e, desde então, o tema não saiu da agenda política, com a Oposição a pressionar o Governo a concretizar a obra no próximo ano.

Segundo o documento que elenca as prioridades do Governo para a área da Saúde em 2019, além da pediatria do S. João e das obras em Gaia, está prevista “a construção de um novo edifício para o Serviço de Urgência do Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, a requalificação e ampliação da Unidade de Queimados e Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar Lisboa Norte, a construção do novo edifício para o ambulatório no Hospital Garcia de Orta”.

No âmbito da reforma dos Cuidados de Saúde Hospitalares, estão ainda projetados para 2019 “o alargamento e remodelação da Urgência Polivalente do Centro Hospitalar Tondela-Viseu, a beneficiação e remodelação do Bloco Operatório da unidade de Chaves do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, a ampliação e remodelação do Serviço de Urgência num dos polos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, bem como a aquisição de equipamento de patologia clínica que processará 85% das suas análises clínicas”.

A substituição de “equipamento obsoleto na radioterapia do Instituto Português de Oncologia de Coimbra”, a construção de um novo bloco operatório no Hospital da Figueira da Foz e a remodelação do bloco operatório central do IPO de Lisboa também fazem parte dos projetos a concretizar em 2019.

Tal como já havia sido avançado pelo ministro Mário Centeno, o documento aponta para o próximo ano o lançamento, em articulação com o Ministério das Finanças, de quatro novos hospitais: Hospital de Lisboa Oriental; Hospital Central de Évora; Unidade Hospitalar do Seixal e a Unidade Hospitalar de Sintra.

artigo JN

Notícias relacionadas