Condicionamentos no trânsito devido a construção do Túnel do Bolhão

A construção do Túnel do Bolhão, no Porto, arranca a 20 de agosto, mas já a partir da próxima terça-feira começarão as alterações de sentidos de circulação nas ruas envolventes, anunciou a autarquia esta sexta-feira.

A criação deste túnel – entre a Rua do Ateneu Comercial do Porto e a Rua de Alexandre Braga, passando sob a Rua Formosa – vai possibilitar o acesso direto ao piso subterrâneo de logística do Mercado do Bolhão, quando este reabrir, adiantou, em comunicado.

“Será, por isso, uma infraestrutura essencial para o funcionamento do mercado e também para a proteção da mobilidade na sua envolvente, já que absorverá o trânsito de veículos para abastecimento dos comerciantes”, explicou.

Depois de concluída, a obra, cujo arranque esteve dependente do visto do Tribunal de Contas, permitirá à cidade não só voltar a ter o seu tradicional mercado de frescos, mas reunir neste condições de higiene e segurança alimentar “acrescidas e essenciais” nos dias de hoje, frisou.

Isto porque o túnel permitirá cargas e descargas diretas, sem transporte de alimentos pela rua a céu aberto, sublinhou.

A autarquia ressalvou que a circulação automóvel naquela zona central da cidade será beneficiada, já que todo o trânsito relacionado com o Mercado do Bolhão será feito através do túnel.

“Deixará de haver camiões parados na envolvente das entradas do mercado, aliviando portanto substancialmente as ruas circundantes e, como tal, o fluxo em grande área da cidade”, vincou.

Apesar de a obra arrancar a 20 de agosto, as primeiras alterações ao trânsito, designadamente mudanças de sentidos de circulação em algumas ruas envolventes, acontecem já a partir da próxima terça-feira.

Segundo a nota da câmara, a primeira fase das alterações assenta na inversão do sentido nas ruas da Firmeza, de Anselmo Braancamp e do Moreira.

A Rua da Firmeza passa a dar entrada na baixa, adotando o sentido nascente-poente, na Rua de Anselmo Braancamp o trânsito passa a ser feito no sentido ascendente (sul-norte) e a Rua do Moreira passa a dar escoamento para a saída da cidade, pelo que o trânsito será feito no sentido poente-nascente.

Também a rede da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) sofre algumas modificações, nomeadamente com a criação de duas novas paragens com abrigos que vêm substituir as que vão ser suprimidas para respeitar a nova orientação da circulação.

São desativadas duas paragens na Rua Formosa e passam a funcionar duas novas na Rua de Fernandes Tomás, respeitante às linhas 301, 305, 401, 700, 800, 801, 7M e 8M.

Contudo, os impactos no trânsito devido à construção do túnel serão minimizados com outras medidas a implementar na segunda fase, com efeitos a partir de 20 de agosto, com o corte do trânsito automóvel e de peões na Rua Formosa, entre as ruas de Sá da Bandeira e Santa Catarina e a introdução de dois sentidos de trânsito na Rua de Fernandes Tomás.

A empreitada de restauro e modernização do Mercado do Bolhão foi adjudicada ao agrupamento Alberto Couto Alves S.A. e Lúcio da Silva Azevedo & Filhos S.A., por mais de 22 milhões de euros, tendo sido “consignada oficialmente” a 15 de maio de 2018, prevendo-se um prazo de dois anos para a conclusão dos trabalhos.

Já a empreitada do túnel de acesso à cave do mercado foi adjudicada no fim de fevereiro à empresa Teixeira Duarte, por cerca de 4,4 milhões de euros.

Segue-nos e partilha:

Notícias relacionadas