Bares do Porto alertam para despedimentos com reabertura do setor

Concentrados diante da Câmara do Porto em solidariedade com os colegas de Lisboa, que à mesma hora se juntavam em frente à Assembleia da República, pouco mais de uma dezena de empresários portuenses lamentaram também o “silêncio” do Governo para com um “setor sempre disposto a colaborar”.

Manuel Carvalho, vice-presidente da ABZHP, em resposta à pergunta da Lusa, admitiu que as dificuldades atuais que dizem estar a viver podem conduzir a cenários de despedimento dos funcionários.

“Cada situação é um caso, mas ao não haver turismo, e com as pessoas do centro do Porto expulsas pela especulação imobiliária, verificamos que os restaurantes estão muito vazios e, provavelmente, os bares também não terão clientes para tudo e poderão ter de dispensar alguns funcionários”, disse.

Uma semana depois de a associação ter denunciado situações de “batota” de alguns empresários da noite do Porto, nomeadamente “através da alteração do Código de Atividade Económica (CAE)”, passando “a designação de bar para café”, não cumprindo, também, “as regras de distanciamento social” obrigatórias pelo combate à covid-19, Manuel Carvalho foi mais longe.

“Há um aproveitamento de alguns empresários sem escrúpulos. Isso está a acontecer no Porto e em Gaia, mas enquanto no Porto o controlo é feito pelo horário [o encerramento é às 23:00], e vejo alguma fiscalização, em Gaia estão abertos até de madrugada”, disse.

Representando “cerca de 200 bares e discotecas”, o dirigente admitiu “haver infratores entre os associados”, escusando-se, contudo, a contabilizar, por “não querer denunciar ninguém em particular”.

E prosseguiu: “fomos os primeiros a fechar e os últimos a abrir. Compreendemos que é difícil legislar para a abertura das discotecas e dos bares com pista de dança, mas temos de ter apoios, pois continuamos, enquanto entidade patronal, a ter de pagar um terço do salário aos nossos colaboradores, sem faturar”.

Admitindo “ser cedo demais para abrir os bares”, apesar de no Porto “as coisas parecem mais controladas”, Manuel Carvalho baseia-se no facto de “em Lisboa os números têm crescido” para reiterar que “abrir pode ser arriscado”.

“Não defendemos que se deixe de pagar as rendas, mas sim um prolongamento de um ano num contrato de cinco anos para além de uma carência do pagamento no período em que estivermos fechados”, frisou o responsável associativo das novas reivindicações das ABZHP que incluem o “pagamento aos funcionários pelo Estado de 100% do salário”.

À Lusa, o presidente da associação, António Fonseca, criticou “o silêncio do Governo” desde que a 01 de junho alertou para as “irregularidades”.

“Tivemos na terça-feira passada uma reunião com a Secretária de Estado do Turismo [Rita Marques] que encaminhou o assunto para o Secretário de Estado do Comércio [João Torres] com a tutela desta área, que marcou uma reunião connosco, mas que queria decorresse com o seu chefe de gabinete, o que recusámos”, descreveu António Fonseca, dando conta de “novo pedido de reunião, mas que terá de ser com alguém do Governo”.

Portugal contabiliza pelo menos 1.485 mortos associados à covid-19 em 34.885 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Fonte: LUSA

PUB - Suscreve o nosso canal Youtube e ativa as notificações 👇

Notícias relacionadas

Leave a Comment