“É impossível travar arraiais de S. João”, diz Associação de Bares do Porto

Bailes de São João do Porto

O presidente da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto disse esta sexta-feira que as medidas tomadas pela autarquia para a noite de São João eram expectáveis, mas serão insuficientes para travar os tradicionais arraiais em família nas ruas.

“Ao nível do setor, estas medidas vão ter de ser cumpridas, mas nestas coisas o povo é soberano. Faz a sua festa e não há lei”, afirmou em declarações à Lusa, António Fonseca.

A Câmara do Porto anunciou, na quarta-feira, que na noite de São João, que se celebra de 23 para 24 de junho, e cujas festas foram canceladas, não haverá transportes públicos e as ruas terão fiscalização e policiamento reforçados.

Em comunicado, a autarquia, liderada pelo independente Rui Moreira, referiu que os arraiais particulares e os grandes ajuntamentos devem ser evitados, sublinhando não ter poderes para proibir as pessoas de circularem nas ruas, nem de se juntarem em casa, o município mostra-se “preocupado”, pedindo o contributo de todos.

À Lusa, Fonseca, que é também presidente da União de Freguesias do Centro Histórico, salientou que as medidas anunciadas pela autarquia eram já expectáveis, sob pena de colocar em causa todo o esforço que foi feito pelos empresários do setor durante os três meses de confinamento.

“Haverá outras oportunidades de serem compensados. Depois de tantos meses com todos os cuidados, uma festa desta podia deitar por terra todo o sacrifício que foi feito e provavelmente não teríamos outro São João, ou outro Carnaval, ou outras coisas assim parecidas”, afirmou.

Enquanto presidente da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP) e autarca, António Fonseca acredita, contudo, que as medidas anunciadas pelo município não serão suficientes para travar os tradicionais arraiais de família que todos os anos invadem algumas áreas da cidade, pelo que apela a que pelo menos sejam cumpridos alguns procedimentos de segurança.

“Eu acho que vai ser um processo natural. Só esperamos que tomem as devidas precauções: em vez de andarem com o martelo que andem com a máscara”, disse, mostrando-se convencido que as pessoas irão, como é tradição, com os seus grelhadores para as ruas.

Aquele responsável acredita, no entanto, que o reforço do policiamento e da fiscalização e a não existência de transportes públicos vai desincentivar as pessoas naturais de outros concelhos a deslocar-se para o Porto.

Embora reconhecendo o impacto económico do cancelamento das Festas de São João neste e noutros setores, Fonseca entende que, neste caso, é preferível que este ano não se realizem, até porque uma má experiência poderia pôr em risco outras festividades, como a passagem do ano que atrai milhares de pessoas ao Porto.

“Por vezes é preferível adiar a nossa festa e fazer a festa em segurança. Obviamente que o São João é de ano a ano, mas se isto for para proteger para que possamos ter nos próximos anos, é bom para todos”, salientou, acrescentando que “é na defesa de todos”.

A 04 de abril, Rui Moreira anunciou o cancelamento das festas de São João, nomeadamente concertos, promoção e festejos oficiais e fogo de artifício, dada a incerteza de propagação do vírus.

No mesmo dia, também a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o distrito do Porto, comunicou o cancelamento destas festividades.

As festas de São João são celebradas no Norte do país, de 23 para 24 de junho, sendo que no distrito do Porto, os concelhos do Porto e de Vila Nova de Gaia têm tradicionalmente dividido a organização que costuma contar com fogo-de-artifício e espetáculos de animação, entre outros entretenimentos que levam milhares de pessoas à rua.

PUB - Suscreve o nosso canal Youtube e ativa as notificações 👇

Notícias relacionadas

Leave a Comment