Aprovado programa de consumo vigiado de droga no Porto

A Câmara do Porto aprovou esta segunda-feira o Programa para Consumo Vigiado que pressupõe, numa primeira fase, como projeto-piloto, a disponibilização de uma unidade amovível, a ser complementado, numa segunda fase, por um espaço móvel com um veículo adaptado.

De acordo com nota publicada esta segunda-feira no portal oficial da autarquia, a minuta do protocolo de colaboração foi aprovada esta segunda-feira, na reunião privada do executivo, por maioria, com os votos a favor do grupo Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido, do PS, da CDU e a abstenção do PSD.

Na totalidade, o apoio financeiro da autarquia ascende aos 550 mil euros, sendo 400 mil euros alocados à implementação do projeto e 150 mil euros para a aquisição da estrutura móvel e de uma viatura adaptada. A operação e definição do programa compete ao Ministério da Saúde, através da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte.

Na nota publicada, a maioria salienta que o município foi mais uma vez confrontado “com aquilo que tem sucedido em inúmeras circunstâncias e dossiers, como seja o caso da requalificação do Liceu Alexandre Herculano ou a entrega de carros à PSP”, tendo sido “obrigado” a intervir, numa matéria que é da responsabilidade do Estado central.

“As promessas de um ‘mundo melhor’ do Estado Central ficam sempre à porta da cidade do Porto”, declarou o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, citado num comunicado.

O autarca está convicto “que esta resposta é importante para travar o consumo de droga no espaço público, mas não é suficiente para resolver um problema com diversas ramificações, que para ficar liminarmente resolvido precisa de um grande esforço em ações complementares”.

Já o PS, ouvido pela Lusa, considera que a medida “peca por tardia”, defendendo que, do ponto de vista do partido, “esta decisão devia ter precedido a desocupação do Bairro do Aleixo”.

Subscreve o nosso canal

“Agora já estamos a correr atrás do prejuízo, já está instalada uma situação muito delicada em toda aquela zona ocidental do Porto e agora estamos aí com medidas de mitigação e de resposta quando devíamos ter sido proativos”, afirmou o socialista Manuel Pizarro, em declarações à Lusa, alertando que o sucesso desta medida depende da sua integração num plano global.

Pizarro reconhece, no entanto, que sobre esta matéria há responsabilidades do Estado e Governo socialista que, “infelizmente”, ainda não reverteu a decisão do Governo “errada” nos tempos da Troika de extinguir o Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT).

Esta posição é também partilhada pela vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, que, em declarações à Lusa, sublinhou que o combate à toxicodependência deve assentar numa visão integrada do problema, tal como era assegurado pelo extinto IDT, que lamenta.

“A CDU não mudou de posição, continua a considerar que esta é uma questão central”, declarou, acrescentando que, no domínio da prevenção, há ainda necessidade de haver um reforço das políticas públicas nacionais, e “também locais”, como vem sendo proposto pela coligação por exemplo através da criação de equipas multidisciplinares.

Ilda Figueiredo lamentou ainda que tenha de ser a autarquia, mais uma vez, a assumir responsabilidades que são do Estado Central.

Já o vereador do PSD, Álvaro Almeida, explicou que se absteve na proposta, por considerar que esta é uma responsabilidade do Estado Central, não cabendo a autarquia financiar este programa.

“Não votei contra porque o presidente da câmara tentou convencer-nos (…) e acreditei naquilo que ele disse, que, se não fosse assim, não haveria sala de consumo assistido e entre isto e nada é preferível isto”, disse.

“Temo que, daqui a algum tempo estejamos a concluir que um instrumento que, até podia ser um instrumento positivo, foi um erro, porque não tendo os outros elementos da estratégia, os seus benefícios não se vão materializar”, concluiu.

Notícias relacionadas

Leave a Comment