Este foi um dos hóteis de maior importância do Porto no séc.XIX

Na moderna avenida dos Aliados, logo ali à entrada, onde agora se encontra a estátua da menina nua, uma das obras primas do escultor Henrique Moreira, esteve, em tempos idos, o Hotel de Francfort, um dos mais importantes do Porto dos finais do século XIX. Foi demolido em 1916 para possibilitar a abertura da avenida que começou por se chamar das Nações Aliadas, e compreende-se porquê: quando aquele espaço começou a ser urbanizado a primeira Grande Guerra tinha terminado e o nome dado à nova artéria constituiu uma homenagem às…

Ler mais

A evolução do Farol da Boa Nova

Entre 1916 e 1926, existiu nas imediações do local onde actualmente se situa o Farol da Boa Nova, (mais conhecido por Farol de Leça), o Farolim da Boa Nova, uma torre quadrangular branca com cerca de 12 metros, encimada por uma lanterna verde, com luz branca fixa, ficava a cerca de 380 metros a NW do actual farol, junto à Capela da Boa Nova, tendo estado dez anos em ensaios, findos os quais foi abandonado, passando a servir de camarata aos alunos da Escola de Faroleiros e mais tarde demolido.…

Ler mais

As portagens da ponte Luís I… para peões

A ponte Luiz I já foi uma ponte com portagem (cinco reis por pessoa) instituída, um dia depois da inauguração do tabuleiro superior, a 1 de Novembro de 1886 e que só deixariam de ser cobradas a 1 de Janeiro de 1944, ou seja, quase 58 anos depois. Por volta da segunda metade do séc. XIX, o comércio progredia na cidade do Porto. As fábricas alastravam por todo o bairro oriental da cidade, o então chamado “Bairro Brasileiro”, denominação esta por proliferarem habitações de antigos emigrantes ricos vindos do Brasil.…

Ler mais

A Casa da Pedra – o local de encontro do “Grupo dos Cinco”

Numa das zonas desde sempre mais movimentadas do Porto, entre Ramalde e a zona ribeirinha, perto da Rua de Cedofeita, e fazendo esquina com a Rua da Boavista, fica a rua das Águas Férreas e a Casa da Pedra, singelo edifício urbano, em zona onde uma nascente de águas sulfúreas havia dado origem ao topónimo. No último quartel do século XIX serviu de residência ao escritor e filósofo Oliveira Martins, durante a sua estada no Porto para dirigir a construção da via férrea do Porto à Póvoa de Varzim e…

Ler mais

Porque razão chamam tripeiros aos habitantes do Porto?

Naquele dia de mil quatrocentos e quinze, o Sol nascia sobre o rio Douro com uma estranha luminosidade. E nas margens do rio tudo se transformara num arsenal. Arsenal gigante, onde se construíam naus e barcas para uma grande aventura marítima. Aventura rodeada de mistério… Por isso mesmo, por nada se saber ao certo, os boatos multiplicavam-se, chocavam entre si, tomando por vezes foros de revelações sensacionais. E assim, nessa manhã bonita e estranha, Mestre Vaz e um dos seus ajudantes, o moço Simão, trocavam ideias e palpites, perante a atenção curiosa dos que os…

Ler mais

Tragédia do Jacob Maersk foi há 44 anos

No dia 29 de Janeiro de 1975, às 12,30 horas, o super-petroleiro dinamarquês Jakob Maersk, embateu numa rocha quando tentava entrar no Porto de Leixões. Segundos após o embate a casa das máquinas explodiu, partindo o navio de 85 mil toneladas em três e deixando-o em chamas e matando sete tripulantes. Durante três dias, as 50 mil toneladas de crude arderam com chamas que atingiram os 100 metros de altura, enchendo a cidade de fumo preto e espesso, provocando intoxicações em muitas pessoas. As zona central e a popa afundaram-se…

Ler mais

A lenda sangrenta que deu nome a Rio Tinto

Conta-nos a lenda que o rio ficou tinto (tingido) de sangue, tantos eram os corpos golpeados e caídos nas suas águas. Tinha-se acabado de travar uma brava luta entre grupos cristãos e muçulmanos, visando a reconquista da terra. Os mouros, que já haviam sido derrotados noutras batalhas, estavam desorganizados e esfomeados. A perseguição que lhes era movida pelos cristãos não lhes dava descanso. Os poucos que haviam sobrevivido estavam feridos e escondiam-se nos bosques das proximidades, tentando salvar a pele. Afirma-se que uma princesa cristã atravessou o campo da batalha,…

Ler mais

Zé do Telhado, o Robin dos Bosques do Norte de Portugal

«Nem todos os criminosos têm de ser bárbaros ou sanguinários. Também existem malandros com bom coração e boas maneiras. José Teixeira da Silva era um desses malandros.» Chamava-se José Teixeira da Silva, nasceu em Recesinhos, Penafiel, no ano de 1818. De origens humildes, aos 14 anos foi viver com um tio para apreender o ofício de capador. Apaixona-se pela sua prima Ana Lentina, mas o tio não autoriza a relação. Aos 18 anos alista-se no exército, inicia a carreira militar nos Lanceiros da Rainha, na Ajuda. Combate contra os Setembristas,…

Ler mais

Torre e Palácio dos Terenas

Antes de ser integrada no Palácio dos Terenas, este monumento foi conhecido como a Torre de Pedro Sem, nobre que, na primeira metade do século XIV, esteve na origem da sua construção. Chanceler-mor de D. Afonso IV, monarca que mandou dotar a cidade de novas muralhas, a torre residencial, maciça e ameada, cabeça de uma quinta peri-urbana em relação ao burgo medieval, foi a solução de prestígio e de poder que o delegado real encontrou para afirmar a sua presença na cidade. Posteriormente, veio a ser conhecida com outras designações,…

Ler mais

Festa aos Três Reis Magos – a festa que rivalizou com o S.João tripeiro

“Em tempos idos houve, no Porto, uma festa que chegou a ombrear com a do S. João. Foi a festa aos três Reis Magos, também referenciados como “três santos reis Magos”, que se celebra entre os dias 1 e 6 de Janeiro.” Germano Silva – Revista Visão O costume é antigo e evoca os três reis do oriente que, segundo uma antiquíssima tradição, mais ou menos fantasiosa, se chamavam Baltasar, Gaspar e Belchior. Estes Magos aparecem tratados como santos, pela primeira vez (1133), nas obras do arcebispo Hildeberto, do Tours,…

Ler mais