Surto de Covid-19 no Lar ‘O Recanto’ no Porto regista uma morte

A Segurança Social indicou esta terça-feira que foram diagnosticados 19 casos de covid-19 entre os 20 utentes da Residência Geriátrica ‘O Recanto’, em Contumil, no Porto, tendo um dos idosos acabado por morrer.

“Foram diagnosticados 19 utentes com Covid 19, sendo que um deles acabou por falecer. O utente negativo foi evacuado para a resposta distrital para negativos, situada na Pousada da Juventude”, refere, em resposta à Lusa.

Esta manhã, fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) confirmou à Lusa que equipas de saúde pública e da proteção civil encontram-se no lar “O Recanto”, depois de alegadamente funcionários se recusarem a entrar por falta de equipamento de proteção individual.

Na altura, a mesma fonte não confirmou, contudo, a existência de um surto de covid-19 naquela residência geriátrica.

Salientado que a instituição em causa, é um equipamento da rede lucrativa, devidamente licenciada, a Segurança Social esclarece que após uma vistoria conjunta realizada esta manhã pela Comissão Municipal da Proteção Civil, com parecer da Autoridade de Saúde Pública, foi decidida a manutenção dos idosos na instituição, por se encontrarem garantidas as condições necessárias para a monitorização e cuidados necessários aos utentes.

Indica ainda que na visita hoje realizada, foi verificado estarem garantidos os equipamentos de proteção individual necessários, tendo sido também a assegurada pela Proteção Civil a desinfeção das instalações.

Em resposta à Lusa, a Segurança Social garantiu também que os utentes encontram-se cuidados e hidratados.

Recorda ainda que a Segurança Social tem ativada uma Brigada de Intervenção Rápida desde o dia 11 de dezembro, constituída por quatro Ajudantes de Ação Direta, para responder à situação de emergência pelo que o acompanhamento aos idosos está a ser salvaguardado.

Esta manhã, em declarações à Lusa, uma fonte da direção daquela residência geriátrica, que não se quis identificar, garantia estar tudo “a funcionar com normalidade”, não esclarecendo, contudo, a razão que levou a PSP ao local.

De acordo com uma fonte policial, contactada ao início da manhã pela Lusa, os agentes deslocaram-se ao lar após um telefonema dos bombeiros, que terão sido alertados por um utente para a recusa de entrada dos funcionários.

De acordo com a mesma fonte da PSP/Porto, os funcionários do turno da manhã ter-se-ão recusado a entrar, “até à chegada da Cruz Vermelha e da Segurança Social”.

O Porto Canal avançou ao início da manhã que à chegada ao local, a PSP disse “que foi devido à falta de material de proteção à covid-19 que os idosos foram deixados temporariamente sozinhos pelos funcionários do lar”.

O Porto Canal acrescentou que “um idoso que se terá sentido mal ligou para os bombeiros para pedir auxílio e estes, quando chegaram ao local, repararam que o lar estava sem qualquer funcionário na instituição”.

A Lusa contactou a Segurança Social, mas até ao momento não obteve os esclarecimentos solicitados.

Portugal contabiliza pelo menos 5.733 mortos associados à covid-19 em 353.576 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo, e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

Fonte: LUSA

Notícias relacionadas