Universidade Católica do Porto preocupada com o teletrabalho

A faculdade lançou o projeto “Work@Home” com o objetivo de conhecer os principais desafios que esta modalidade trouxe para os trabalhadores bem como para as empresas. Com os resultados obtidos, pretendem perceber o impacto da pandemia no trabalho e as estratégias adotadas para responder aos desafios provocados pelo contexto atual.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, mais de 560 mil trabalhadores estiveram em teletrabalho no último trimestre de 2020. O equivalente a 11,6% da população empregada. É a estas pessoas e, aos seus empregadores, que se dirige o estudo da Universidade Católica do Porto.

O inquérito “Work at Home: Challenges and Management Strategies” é de participação voluntária e anónima. Está  online na página da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto. A informação recolhida será tratada de forma coletiva e destina-se unicamente a fins de investigação.

A Universidade Católica e o seu Research Centre for Human Development procuram compreender, através das respostas, a forma como “os trabalhadores portugueses se adaptaram ao modelo de teletrabalho, adotado por várias empresas, durante e após o confinamento obrigatório e consequente da pandemia Covid-19”, diz a instituição.

O questionário inclui questões relacionadas com a experiência de teletrabalho ao longo do período pandémico, dando destaque às principais dificuldades sentidas, às estratégias utilizadas para as combater e, ao suporte recebido por parte da organização.

FONTE: Porto.

Notícias relacionadas