Setor nupcial enfrenta crise devido à covid-19

O casamento e o setor nupcial enfrentam uma crise sem precedentes há um ano devido à covid-19, com os matrimónios adiados para 2021 e 2022, para os noivos puderem fazer a festa sem desconvidar pessoas.

Os prejuízos são inúmeros em todo o setor nupcial, tanto nas lojas de roupa de cerimónia, como nas quintas, em que as regras contra a covid-19 impõem que a partir de segunda-feira haja só 25% da ocupação normal do espaço para a festa.

Espaços como a Quinta dos Sonhos em Ermesinde, registou quebras no negócio na ordem dos 90% em relação aos anos pré-covid-19. O mesmo aconteceu com a Quinta das Camélias, em Avintes, que dos 17 casamentos planeados para 2020, apenas dois aconteceram.

Com a pandemia houve uma redução no mundo nupcial, mas a maioria não desistiu, apenas adiou a boda, outros desistiram até de casar. Apesar de sonhos adiados ou até cancelados, há noivos resilientes que acreditam que o casamento vai acontecer.

Na apresentação das diferentes datas do plano, o primeiro-ministro indicou que depois de 03 de maio “as celebrações, como casamentos ou batizados, poderão ter uma lotação de 50%” da capacidade do espaço.

Notícias relacionadas