Protesto no Porto contra ataques em território palestiniano reúne centenas de pessoas

Esta segunda-feira, no Porto, cerca de 500 pessoas responderam ao apelo de solidariedade para com a Palestina e juntaram-se numa manifestação que exige a tomada de uma decisão por parte do governo português.

A concentração convocada pela CGTP, pelo Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM) e pelo CPPC – Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), contou com a presença de centenas de manifestantes, maioritariamente, jovens portugueses, migrantes e estudantes internacionais, que lutaram pelo fim da agressão e da ocupação em território palestiniano.

Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP, declarou à RTP que esta presença foi “demonstrativa de que os portugueses rejeitam este comportamento de Israel e exigem que o governo português tome uma posição clara de repúdio desta agressão”, manifestando, também, a sua satisfação pela “grande mobilização”.

Ao mesmo tempo, em Lisboa, ouviram-se gritos por uma “Palestina livre”, onde Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, demonstrou apoio ao povo palestiniano e apelou a Portugal e à União Europeia a aplicação de sanções a Israel de forma a parar a “violência atroz”.

De modo a reagir ao conflito entre Israel e a Palestina, os Ministros dos Negócios Estrangeiros reuniram-se, esta terça-feira, em Bruxelas, para analisar como pode a União Europeia por fim à violência no médio oriente.

Notícias relacionadas