Silêncio de carro elétrico condena seguradora num acidente mortal em Gondomar

O Tribunal da Relação do Porto ordenou ao pagamento de uma indemnização no valor de 27 mil euros à família de uma jovem de 26 anos que foi atropelada mortalmente, em Gondomar.

Apesar dos juízes ilibarem a condutora do carro elétrico que atropelou a jovem, condenaram a seguradora do veículo por considerarem este um “um risco expressivo” para os peões por não fazer ruído.

O tribunal determinou que a imprudência da vítima acabou por originar o acidente, que ocorreu no dia 24 de setembro de 2017, considerando assim culpada pelo facto de atravessar a faixa de rodagem sem olhar.

” A vítima agiu com culpa quando iniciou a travessia da faixa de rodagem distraída, entrando na via da direita atento o sentido de marcha do QG [a viatura elétrica] sem olhar para a esquerda e sem reparar nos veículos automóveis que circulavam nesse sentido de trânsito, tendo sido colhida na faixa de rodagem (…)”, refere o acórdão do Tribunal, citado hoje pelo Jornal de Notícias.

Notícias relacionadas