Porque razão chamam tripeiros aos habitantes do Porto?

Naquele dia de mil quatrocentos e quinze, o Sol nascia sobre o rio Douro com uma estranha luminosidade. E nas margens do rio tudo se transformara num arsenal. Arsenal gigante, onde se construíam naus e barcas para uma grande aventura marítima. Aventura rodeada de mistério…

Por isso mesmo, por nada se saber ao certo, os boatos multiplicavam-se, chocavam entre si, tomando por vezes foros de revelações sensacionais. E assim, nessa manhã bonita e estranha, Mestre Vaz e um dos seus ajudantes, o moço Simão, trocavam ideias e palpites, perante a atenção curiosa dos que os rodeavam. 
— Pois é como lhes digo, rapazes! Estou certo que tudo isto é para levar a Senhora Infanta Dona Isabel até Inglaterra, onde vai casar… 
E Mestre Vaz olhava os circunstantes num ar de desafio, como se ninguém pudesse pôr em dúvida a sua afirmação. Mas enganou-se. Simão, o jovem Simão, não concordava. 
— Ora, Mestre Vaz, não diga semelhante coisa… Cá por mim, já sei: esta armada que estamos a construir servirá para conduzir el-rei, o Senhor D. João I, a Jerusalém, a fim de cumprir a promessa de visitar o Santo Sepulcro. 
Mestre Vaz sorriu Sorriso alegre, mas irónico. 
— A quem o dizes! Eras tu garoto ainda ou nem sequer tinhas nascido quando o nosso rei fez essa promessa, se vencesse Castela… 
E enchendo o peito de ar, e olhando profundamente para todos, Mestre Vaz concluiu, alteando a voz: 
— E o nosso rei venceu! Vencemos… porque eu também tive a honra de estar lá, ao lado dele! 
Um ar de pasmo nasceu e correu por entre os circunstantes. E o próprio Simão perguntou, em tom maravilhado: 
— O quê? Mestre Vaz foi também nessa armada? 
Sentindo-se confortado com a surpresa que suscitara, Mestre Vaz avançou um pouco para Simão e disse lentamente: 
— Sim, jovem Simão… Aqui onde me vês, tenho lutado muito por este mundo de Cristo… 
E rindo, voltando-se para os outros, acentuou: 
— Todos têm ainda muito que aprender comigo… 
Semicerrou os olhos, numa chamada à memória. 
— Foi aí há uns… trinta… há uns trinta e tal anos… Comandava-nos o Senhor D. Rui Pereira e também trabalhámos assim desalmadamente… como agora… para conseguir ter a armada pronta a tempo de ajudar el-rei, o Senhor D. João, a vencer Castela… e conseguimos! E vencemos! Nunca mais o poderei esquecer…
Por instantes, pairou o silêncio sobre os homens. Cada um entre aos seus pensamentos. Cada um debruçado sobre si próprio. E foi ainda o jovem Simão quem cortou o silêncio. 
— Ora, felizmente, Mestre Vaz, desta vez não vamos para a guerra.
 Mestre Vaz olhou-o demoradamente. Intencionalmente. E disse apenas: 
— Sabe-se lá, Simão, sabe-se lá… 
E logo, vendo o sol a estender-se sobre o rio, deu o grito de alarme: 
— Eh rapazes, são horas de começar o trabalho. Vamos a ele! 
E todos se atiraram à sua faina, na ânsia de não perder tempo… 
Foi só na hora do almoço desse dia que Mestre Vaz e o jovem Simão voltaram a encontrar-se. 
— Olha, aí vem a tua mãe, Simão. 
— Já a tinha visto, Mestre Vaz… Obrigado. E vem com cara de quem traz novidades. 
O outro riu-se. 
— Até parece que nem conheces a tua mãe… Nunca se viu a Senhora Joana sem novidades para contar… 
E voltaram a rir. Mas a Senhora Joana escutara também as últimas palavras. 
— Como? Que dizeis vós? Então não sabeis ainda o que se conta por aí? 
— Ora, minha mãe… são rumores com certeza… Esta gente só sabe espalhar rumores. 
A Senhora Joana revoltou-se. 
— Não são rumores, não senhor… 
E aproximou-se, em ar de segredo. 
— Disse a Senhora Miquelina, que ouviu à tia do Senhor D. Luís de Almeida, que estava a conversar com aquela senhora que é prima da Senhora Abadessa… 
Numa gargalhada espontânea, Mestre Vaz não resistiu a interrompê-la. 
— Eh, Senhora Joana, por favor pare lá com essa lenga-lenga e diga o que sabe duma vez!… 
Ela parou, para respirar melhor. 
— Ah, ele é isso? Pois ficai sabendo que esta armada é para ir a Nápoles com os Senhores Infantes D. Pedro e D. Henrique, que ali vão casar… 
E ficou-se à espera da reacção de pasmo dos dois homens. Mas, em vez de pasmo, surgiu a risota. 
— O quê, Senhora Joana, logo os dois ao mesmo tempo? 
A mulher fitou-os com misericórdia. 
— Pois claro! O Senhor D. Pedro vai casar com a rainha viúva da Itáia. E o Senhor D. Henrique… 
Foi a vez do jovem Simão gargalhar. 
— O quê, minha mãe? Então pensa que o Senhor D. Henrique vai casar?… Oh, mãe, não diga tal coisa!… 
Acabou por ser a mulher a mostrar-se surpreendida. 
— E… que tem isso de especial? 
Mestre Vaz adiantou-se. 
— Oiça, Senhora Joana… Já que quer saber a verdade, não é nada do que pensa. Eu já disse ao seu filho… 
Mas ela não o deixou terminar. Embalada por uma onda de brio ferido, volveu-lhe, irada: 
— E o Mestre Vaz tem a mania que sabe tudo, não é verdade?… Olhe que também se pode enganar… 
O outro abanou a cabeça toda branca. 
— Com a idade que tenho, Senhora Joana, já não é muito fácil a gente enganar-se… 
— Ora, se vamos falar em idades, estamos bem servidos, Mestre Vaz! 
O jovem Simão viu-se obrigado a intervir. 
— Bem, bem… Não se zanguem… Quando se encontram, ficam empre a caturrar… Vamos ao almoço, que são horas. 
A mulher calou-se e começou a dispor as coisas para o almoço. Por seu turno, Mestre Vaz resmungou: 
— E é aproveitar, porque temos de comer depressa… Isto ainda vai muito atrasado… e dizem que o Senhor Infante D. Henrique vem cá no domingo…

E, de facto, dessa vez não foi boato… 
O infante D. Henrique apareceu inesperadamente no Porto, para ver o andamento dos trabalhos… 
O seu olhar arguto passeou lentamente sobre a canseira em curso… Parecia um formigueiro de homens de tronco nu, trabalhando quase sem descanso… Os carpinteiros levantavam no espaço os esqueletos de madeira das naus e das barcas em construção… As serras silvavam… Os martelos batiam… Os machados cortavam… Uma autêntica sinfonia de trabalho, para compor a nova armada! 

Deixemos agora o campo real da História, que tem servido de cenário à nossa evocação, e entremos na penumbra da Lenda… 
Conta, na verdade, uma tradição já muito velhinha que o infante D. Henrique, apesar de tamanho esforço, entendeu que o esforço tinha de ser maior ainda. E decidiu falar com um dos seus homens de confiança. Precisamente o Mestre Vaz. 
Mandou-o chamar. Mestre Vaz apresentou-se sem demora. 
— Aqui estou, Senhor Infante… Recebi o vosso recado e vim imediatamente. 
O Infante fez-lhe um gesto amigo. 
— Muito me satisfazeis com o vosso zelo, Mestre Vaz. Aproximai-vos. 
Mestre Vaz deu alguns passos. Lentamente. Hesitante. 
— Senhor, é assim tão importante o que tendes para me dizer? 
— Mais do que podeis julgar. 
E baixando a voz, o Infante rubricou: 
— O que tenho para vos dizer… é segredo! 
Mestre Vaz ficou perplexo. 
— Oh, Senhor Infante… Eu não mereço… 
Um breve sorriso desenhou-se no rosto duro de D. Henrique. 
— Não tenhais receio… Escolhi-vos, porque vos sei leal e fiel. 
E fazendo novo gesto para que ele mais se aproximasse, continuou: 
— Todos esses rumores que por aí correm sobre o destino da armada andam longe da verdade! 
Mestre Vaz abriu a boca para falar, mas calou-se. O Infante fez-lhe sinal para que se pronunciasse. O velho marinheiro, então, um pouco maliciosamente, confessou: 
— Eu tenho calculado isso mesmo, meu Senhor… Pareciam-me boatos só para desviar a atenção. 
O rosto do Infante abriu-se em novo sorriso. 
— Tal e qual, velho mestre, tal e qual!… Mas vós ides saber a verdade. 
Calou-se, como que meditando. E inclinou-se depois para diante, dando uma inflexão mais dramática às palavras. 
— Só vós, compreendeis bem?… É necessário que não saia desta sala uma única palavra do que vos vou dizer… Em contrapartida, preciso absolutamente que me ajudeis depois com toda a vossa experiência. 
Como se fizesse um juramento solene, o velho marinheiro endireitou-se, e garantiu com voz firme e resoluta: 
— Contai comigo inteiramente, Senhor Infante! 
— Obrigado! 
E devagar, medindo as palavras uma a uma, D. Henrique fez a grande revelação: 
— Esta armada que estamos a construir, Mestre Vaz… destina-se à conquista de Ceuta! 
Diante dos olhos espantados do velho marinheiro, prosseguiu, já num crescendo de entusiasmo: 
— Sim, à conquista de Ceuta! El-rei meu pai consente que partamos! 
Depois, ergueu-se ele também e, num ar de profeta, acentuou: 
— O meu grande sonho vai finalmente tornar-se realidade, Mestre Vaz… Nós conquistaremos Ceuta! 
O velho marinheiro persignou-se. 
— Que Deus vos oiça, Senhor Infante D. Henrique, que Deus vos oiça! 
Houve uma nova pausa entre ambos. Pausa feita de sonho e de esperança… 
O Infante olhou bem de frente para o velho marinheiro de cabelos brancos. 
— Agora, mais do que nunca, preciso de vós e de todos os homens experientes e dedicados como vós, Mestre Vaz! É necessário trabalhar ainda mais… fazer sacrifícios ainda maiores… Percebeis o que quero dizer? 
Mestre Vaz deu um passo em frente. 
— Percebo, sim, Senhor Infante! Quereis que trabalhemos noite e dia, sem cessar… para que a armada esteja pronta a partir numa data certa… 
O Infante D. Henrique respirou fundo, antes de responder. 
— Isso mesmo, Mestre Vaz!… Eu desejo que a armada esteja pronta a partir dos primeiros dias de Julho. E para tanto, será necessário certamente um esforço enorme, quase sobre-humano.  
Mestre Vaz sorriu, mostrando os poucos dentes que lhe restavam. 
— Pois faremos esse esforço, Senhor Infante!… Pelo reino, por el-rei e por vós… 
A voz cresceu, num alarde de emoção. 
— E também pela nossa querida cidade do Porto… Eu vos juro que faremos esse esforço! 
O Infante pousou-lhe suavemente as mãos nos ombros.
— Como sabe bem ouvir tais palavras, Mestre Vaz! 
Tocado pelo seu próprio entusiasmo interior, o velho marinheiro  continuou, como se não o escutasse: 
— Digo-vos mais, Senhor Infante, se mo permitis… Faremos agora o mesmo que fizemos há precisamente trinta e um anos, quando daqui abalou a frota comandada por D. Rui Pereira, para ir auxiliar el-rei, vosso Pai e nosso Senhor, contra os inimigos vindos de Castela… Então, nós, Senhor Infante, decidimos dar toda a carne para mantimento e comermos apenas as tripas que iam ficando… Por isso mesmo até passaram a chamar-nos «tripeiros». 
E num desabafo: 
— Somos «tripeiros», sim, e com muita honra! 
De olhos iluminados por estranho fulgor, o Infante D. Henrique também não escondeu a emoção que o caldeava ao escutar tais palavras. 
— O que me contais é na verdade extraordinário, Mestre Vaz! Tendes razão… Esse nome de tripeiros, por sacrifício tão nobre e tão alto, é sem dúvida uma verdadeira honra para os homens do Porto. Bem vos podeis orgulhar de serdes tripeiros! 
— Pois, Senhor Infante, agora o seremos de novo, para que toda a carne que pudermos arranjar siga também na armada, a caminho da grande vitória de Ceuta! 
E no mesmo tom, como eco que repercutisse na própria alma, o Infante D. Henrique afirmou, de olhos em êxtase: 
— Dizeis bem, Mestre Vaz!… A caminho da grande vitória Ceuta! 

Daí em diante, segundo nos conta a mesma tradição velhinha, Mestre Vaz, embora sem revelar a mínima palavra do segredo que lhe confiara o Infante, não mais se cansou de apregoar a mesma ideia, de grupo em grupo, de homem em homem. 
— É o que lhes digo, companheiros! Temos de nos sacrificar de novo para honra do nosso reino e para honra da nossa cidade do Porto! Tal como nos chamaram tripeiros, há trinta anos, poderão agora chamar-nos tripeiros para sempre — porque nós guardaremos esse título com orgulho e com altivez! 

E o certo é que as suas palavras foram escutadas e repetidas. Transformaram-se num lema. Numa bandeira de compreensão. Acorreram adesões de todos os lados. Até a Senhora Joana, mãe do moço Simão, apareceu imediatamente a corroborar os desejos do velho marinheiro. 
— Comigo, podeis contar desde já, Mestre Vaz!… Daqui em diante, somente comerei tripas e darei toda a carne que arranjar para a armada! 
— E tu, Simão? 
— Eu? Bem o sabeis, Mestre Vaz… Seja qual for o nosso destino, se o Senhor Infante precisa de nós, nós estaremos sempre com ele! 
De olhos marejados de lágrimas, Mestre Vaz limitou-se a gritar, num brado de gratidão para todos os que acorriam ao seu chamamento: 
— Viva a gente do Porto! Viva o Povo Tripeiro!

E, tal como narra a própria História de Portugal, mercê do invulgar sacrifício dos heróicos Tripeiros, de facto, no dia 10 de Julho de 1415, fundeava em Lisboa a grande frota do infante D. Henrique, com as suas sete galés e as suas vinte naus, a caminho da conquista de Ceuta…

Estátua da conquista de Ceuta – Lgo.Antônio Calém – Porto

Fonte BiblioMARQUES, Gentil Lendas de Portugal Lisboa, Círculo de Leitores, 1997 [1962] , p.Volume II, pp. 169-175

Segue-nos e partilha:

Notícias relacionadas