A lenda do Senhor d´Além

“Diz a lenda que em 1140, quando Portugal ainda não era um país livre e independente, mas a cidade do Porto já era gente, uns pescadores que andavam à pesca do sável, na margem esquerda do rio Douro, junto a um pequeno cais que então existia no sopé de um monte chamado de Quebrantões, a atual serra do Pilar, ao recolherem a rede veio envolvida nela uma imagem de Jesus Cristo crucificado.”

“A capela do Senhor d’Além, que fica nas abas da Serra do Pilar, mesmo em frente aos Guindais, além-Douro, portanto, e daí o nome, e a respectiva irmandade foram, durante muitos anos, “administradas pela cidade” (do Porto). Em determinadas ocasiões os edis portuenses, na qualidade de administradores do templo e da confraria, iam ao lado de lá buscar a imagem do Senhor d’Além para que participasse nas chamadas “Procissões de Preces”. Acontecia, por exemplo, em tempos de seca ou de inundações.

A Câmara organizava então “procissões de preces”, para pedir chuva, se fosse o caso, ou para solicitar o termo de calamitosas cheias. Mas também se realizavam, com a presença da imagem do Senhor d’Além, “Procissões de Graças”. Como aquela que aconteceu no dia 18 de Novembro de 1755. Dias antes a cidade de Lisboa havia sido destruída por um terrível terramoto. A cidade do Porto saíra praticamente ilesa dessa catástrofe. Aqui caíra apenas o tecto da capela de S. Roque, que ficava perto da Sé; a torre da igreja dos padres da Congregação de S. Filipe de Nery (Congregados) e pouso mais.

Logo naquele dia, segundo consta da acta da reunião municipal que então se realizou, “… sendo convocados na forma do estilo a Nobreza e Povo foi proposto pelo Procurador da cidade que, não tendo acontecido entre nós nem ruína nem mortandade, era justo fazer-se uma Procissão de Graças e que estas deviam ser rendidas especialmente à Veneranda Imagem do Senhor d’Além…”

Alguns anos antes (1734) a “Câmara e toda a Vereação” haviam acompanhada a mesma imagem numa imponente procissão fluvial até junto da barra por causa de “uma grande seca e falta de água na cidade… Ora, sempre que a Câmara ia ao lado de lá buscar a imagem do Senhor d’Além a fim de a levar para a Catedral, tanto à vinda, como no regresso, o transporte fazia-se, sempre, com grande solenidade, em procissão, na qual participavam o Cabido e as várias confrarias da cidade. Tudo correu normalmente até um dia em que os cónegos reagiram mal a um convite da Câmara para estarem presentes em mais uma procissão. Tratava-se do regresso da imagem à sua capela do lado de lá. Entendiam os membros do Cabido que não deviam andar às ordens dos edis. Que estes não tinham qualquer autoridade para os convocar a participarem na procissão. E como se dava o caso de a imagem do Senhor d’Além estar na Sé, os cónegos mandaram dizer à Câmara mais ou menos isto “só vamos quando muito bem nos apetecer…” E não deixaram sair a imagem da Catedral.

O conflito entre os do Município e os do Cabido estava instalado. Como sair dele? Os vereadores, sentindo-se ofendidos (então não era a eles que competia administrar a capela e a imagem do Senhor d’Além?) escreveram ao Juiz da Coroa pedindo providências e este escreveu ao cabido dizendo-lhe que ” deixassem os edis levar, como sempre o fizeram, o dito Santo Crucifixo a seu arbítrio…” Mas o Cabido não só não deixou levar a cruz, como não respondeu ao oficio, nem a este nem a um segundo que o Juiz da Coroa lhe enviou.

Perante aquela insólita atitude dos cónegos, a Câmara apelou para uma instância superior, a Mesa do Desembargo do Paço que a 22 de Novembro de 1631 enviou um despacho favorável à Câmara dizendo ao Cabido que os edis “podiam levar o crucifixo mas privadamente sem ser em forma de procissão…” Era uma tentativa de resolver a questão que se arrastava sem solução à vista. No entanto, mais de dez anos depois, em 1646, a questão mantinha-se como no princípio a cruz só deixaria a Sé quando os cónegos assim o entendessem. Perante este imbróglio a Câmara exigiu que fosse executada a sentença da Mesa do Desembargo do Paço. Aparece então o bispo a dizer que não, alegando que a sentença não tinha validade porque o prelado não fora ouvido. Mas a relação mandou que a sentença fosse executada. O conflito é que não ficou sanado.

A partir daqui a Câmara, sempre que ia buscar o Senhor d’Além ao outro lado do rio, em vez de levar o crucifixo para a Sé, como era tradição fazer-se, passou e conduzi-lo para a capela de S. Miguel-o-Anjo, junto à Porta do Olival, que também era administrada pela Câmara.

Conta uma velha lenda que Portugal ainda não existia como país livre e independente quando, aí por 1140, uns pescadores dos Guindais, que andavam na apanha do sável no rio Douro, em frente ao sítio hoje conhecido pelo Senhor d’Além, trouxeram na rede um enorme crucifixo que estava no fundo do rio. Movidos por grande piedade, os pescadores levaram a imagem para uma ermida da invocação de S. Nicolau que havia no cimo da actual Serra do Pilar a que antigamente se dava o nome de Monte da Meijoeira, de Quebrantões ou de S. Nicolau.

Quatrocentos anos depois os Cónegos Regrantes de Santo Agostinho construíram ali um mosteiro que serve hoje de quartel e removeram a capela de S. Nicolau para junto do rio “para um penedo que está acima do cais”. Com vários restauros, acrescentos e modificações é a que ainda hoje lá está agora sob a invocação do Senhor d’Além, do qual existe uma bela imagem (século XVIII) no cartório da Casa do Cabido, à Cabido, à Sé”

Germano Silva

A actual Capela do Senhor d’Além foi construída em 1887. Hoje encontra-se em ruínas, tendo dois dos sinos sido roubados e os outros dois estão na Junta de Freguesia de Santa Marinha.

A Câmara de Vila Nova de Gaia vai lançar concurso para restauro da Capela Senhor D’Além, equipamento localizado na escarpa da Serra do Pilar que se encontra em estado de degradação, indicou hoje o presidente da autarquia.

Segue-nos e partilha:
error

Notícias relacionadas